Pragas em apartamentos

Pragas podem transmitir doenças, contaminar alimentos e até causar danos caros em móveis e construções. Infelizmente, apartamentos apresentam todos os elementos necessários para criar uma verdadeira avalanche de pragas: moradores com estilos de vida diferentes, falta de um padrão uniforme de limpeza e habitações muito próximas. O resultado disso é que uma esmagadora maioria dos moradores de apartamentos afirma já ter encontrado pragas em seus lares. E o que é pior: esse é o motivo pelo qual 60% deles começam a procurar um novo lugar para morar.

A maioria dos moradores não se importa tanto assim em encontrar pragas como moscas, formigas, traças e aranhas. No entanto, baratas, roedores e percevejos-de-cama são os mais temidos, sendo os últimos os mais indesejados. Não é pra menos, afinal, costumam aparecer entre os pertences após uma viagem, estragam vários objetos, se alimentam do sangue das pessoas e são extremamente difíceis de serem eliminados.

Como os percevejos-de-cama são as pestes mais temidas, pode ser interessante para muitas pessoas saberem que encontrar e eliminar o mais rápido possível esses insetos é o melhor procedimento a ser realizado após detectar uma possível infestação. Para procurá-los, é preciso olhar colchões, estrados, cabeceiras, camas e demais móveis próximos, rachaduras, fendas por trás de interruptores, pisos soltos, janelas, portas e tapetes, procurando por manchas escuras nessas superfícies, peles do inseto ou o próprio adulto, que é grande suficiente para ser encontrado.

Os moradores atingidos devem relatar imediatamente quaisquer sinais de atividade de percevejos-de-cama e contatar um profissional de controle de pragas assim que possível para que ele avalie adequadamente a situação.

As outras pragas, como roedores, baratas, formigas e moscas também ameaçam a tranquilidade nos lares, ainda que não sejam tão temidos quando o percevejo-de-cama, por isso é essencial saber evitá-los. Todos eles podem ser combatidos com as mesmas práticas simples apresentadas a seguir:

– Vedar rachaduras e fendas no exterior do edifício e instalar telas para ajudar a prevenir a entrada de pragas.

– Manter áreas verdes bem cuidadas e, de preferência, um pouco afastadas das habitações.

– Descartar adequadamente os resíduos. No interior, manter latas de lixo forradas e seladas para impedir o contato com alimentos estragados e remover o lixo pelo menos uma vez por dia, descartando-o em lixeiras bem fechadas e localizadas o mais longe possível de sua propriedade.

– Tentar manter um bom número de moradores locais informados sobre o problema que as pragas podem trazer, suas consequências, as formas de prevenção e medidas a serem tomadas no caso de uma infestação. Alguns profissionais podem fornecer materiais periodicamente para manter todos educados sobre o assunto.

Tipos de insetos benéficos ao jardim

Quase todas as vezes que falamos sobre insetos, nos lembramos dos vários malefícios que eles podem nos trazer, como infestações em nossas casas, ferroadas doloridas, transmissão de doenças, barulhos e até o atentado que eles representam contra a limpeza do ambiente. No entanto, nem todos os insetos são pragas ou acarretam apenas desvantagens. Alguns, na verdade, nos trazem até alguns benefícios pelos quais podemos nos sentir muito gratos. Portanto, mudando um pouco o repertório sempre negativo que encontramos aos montes por aí sobre esses bichinhos, aqui vai uma lista amiga sobre 6 bons representantes – e em formato de ranking, já que é pra sermos justos.

  1. Joaninhas

Joaninhas costumam ser bastante queridas por várias pessoas. Nós inclusive podemos encontrar bastante objetos e roupas com estampas de joaninhas. Mas muito além do fato de serem queridas e bonitinhas, joaninhas também podem ser bem simpáticas para o trabalho de fazendeiros e jardineiros. Isso porque elas se alimentam de pulgões e insetos de corpo mole, que costumam estragar plantações e folhas dos jardins. As joaninhas ainda podem melhorar a biodiversidade do seu quintal. Para atraí-las, você pode utilizar flores com néctar e pólen.

  1. Vespas

Mas claro que não quaisquer vespas, enormes, pragas e caçadoras. Há uma espécie bastante pequena, e até difícil de localizar, que serve para um grande propósito. Elas ajudam a acabar com algumas pestes realmente indesejadas em plantações e jardins, pois parasitam e destroem os ovos desses outros insetos.

  1. Besouros

Estes insetos de vida noturna assustam algumas pessoas e talvez não aparentem, mas podem ser bastante benéficos. Eles vivem no solo e, em geral, não causam prejuízo algum, mas se alimentam de outros habitantes desse mesmo ambiente que realmente podem ser indesejáveis, como lesmas, caracóis e larvas. Esses besouros podem comer o equivalente ao peso do próprio corpo em quantidade de lagartas por dia – e as lagartas são aquelas próprias indesejadas que tanto destroem as plantas do jardim.

  1. Aranhas

Elas podem desempenhar um importante papel em controlar as pragas do jardim. Isso porque, invariavelmente, criarão teias que servirão como armadilhas para pragas que causam danos maiores às plantas. Aranhas são especialmente atraídas por plantas perenes e palhadas.

  1. Percevejo-assassino

O nome e a própria aparência do inseto podem assustar. Mas percevejos-de-cama, cupins, baratas, traças e lagartas talvez assustem até mais. Pois saiba que essa é uma lista com apenas alguns exemplos de pragas que o percevejo-assassino ataca. Definitivamente, esse é um bom inseto para manter no jardim.

  1. Bicho-lixeiro

O apelido desse inseto já diz bastante sobre ele. A espécie tem se tornado muito conhecida por devorar pestes prejudiciais às plantações, como pulgões, lagartas, moscas brancas e ovos de traça, entre muitos outros. Eles são atraídos por plantas como angélica, flor de mel e cosmos, que valem bastante a pena serem semeadas em seu jardim, já que trazem um ajudante tão eficiente.

A importância da higiene na cozinha

Aqui estão algumas dicas para manter a cozinha um lugar seguro para preparar as suas refeições diárias.

  1. LAVE SUAS MÃOS!

Isso mesmo! Germes se espalham facilmente entre as nossas mãos e entre os alimentos, portanto ter um par de mãos limpas antes de cozinhar ou se envolver em qualquer preparação de alimentos, é essencial. Lavar as mãos corretamente quando tocar em carne crua e também depois de ir ao banheiro pode ajudar a reduzir significativamente a propagação de bactérias nocivas como a E. coli e a salmonela. Lavar as mãos com sabonetes e lenços antibacterianos pode fazer uma diferença real na higiene das suas mãos e na sua cozinha.

 

  1. Cozinhe bem os alimentos

Se você for um chef profissional e estiver lendo isso, você provavelmente está pensando que este item da lista é óbvio! Mas é surpreendente como muitas pessoas não cozinham bem os alimentos antes de consumir. Se a comida é recém-preparada (especialmente carnes e aves), então há um risco maior ainda de bactérias nocivas sendo ingeridas, que podem causar intoxicação alimentar. Em caso de dúvida, corte tais alimentos como frango, salsichas, hambúrgueres e outros cortes de carne depois de cozinhar para verificar se eles estão no ponto ou não totalmente cozidos.

 

  1. Fique de olho na forma de Armazenamento

Um armazenamento correto dos alimentos na cozinha é tão importante quanto o cozimento correto. Ao armazenar alimentos em frigoríficos ou refrigeradores você garante que a comida estará à temperatura ambiente ou inferior. Colocar comida quente na geladeira significa que o alimento não arrefeceu de forma uniforme e, portanto, pode causar intoxicação alimentar. Cubra sua comida também, pois comida deixada aberta ao ar livre é vulnerável à bactérias.

 

  1. Lave frutas e vegetais antes de consumir

Ao manusear frutas e legumes frescos é sempre aconselhável lavá-los antes de usá-los ou começar a descascar. Lavar frutas e vegetais pode ajudar a remover os germes e bactérias nocivas que estão na superfície dos alimentos.

 

  1. Faça a Limpeza geral do local ao terminar

Após o cozimento, a limpeza é muito importante. A tábua de cortar, por exemplo, as esponjas e escovas úmidas são locais de grande acúmulo de bactérias. Lave e limpe os seus utensílios de cozinha, usando produtos de limpeza corretos para drasticamente reduzir o risco de contaminação cruzada. Geralmente, produtos de limpeza à mão, que possam ser utilizados com o auxílio de luvas, podem ajudar você a manter sua cozinha limpa e livre de quaisquer doenças e bactérias!

Aedes Aegypti

O mosquito Aedes aegypti é o principal transmissor do vírus causador da dengue. Os vírus são transmitidos aos seres humanos através da picada da fêmea do mosquito Aedes, que adquire principalmente o vírus ao se alimentar do sangue de uma pessoa infectada.

O vírus infecta o mosquito pelo intestino e, subsequentemente, se espalha pelas glândulas salivares ao longo de um período de 8-12 dias. Após este período de incubação, o vírus pode ser transmitido para os seres humanos durante a alimentação do mosquito. Os habitats favoritos das larvas do mosquito são vistos em lugares cheios de água, principalmente em recipientes intimamente associados com habitações humanas e que muitas vezes, na verdade,  estão dentro das nossas casas.

Estudos apontam que a maioria das fêmeas dos mosquitos Aedes aegypti podem passar sua vida em torno das casas onde emergiram até sua fase adulta e costumam voar em média cerca de 400 metros.

As taxas de infecção por dengue ao ar livre são mais elevadas durante o dia, quando os mosquitos Stegomyia mordem mais frequentemente. No entanto, o Aedes Aegypti se reproduz dentro de casa e é capaz de não morder ninguém durante todo o dia. O seu habitat é menos suscetível às variações climáticas e aumenta a longevidade dos mosquitos.

Nem todos os surtos de dengue são causados pelo Aedes Aegypti. Surtos de dengue também têm sido atribuídos ao Aedes albopictus, Aedes polynesiensis e várias outras espécies de Aedes scutellaris. Cada uma destas espécies tem uma ecologia particular, comportamento e distribuição geográfica própria.

O Aedes albopictus é principalmente uma espécie florestal que se tornou adaptada à ambientes humanos rurais, suburbanos e urbanos. Nas últimas décadas, o Aedes albopictus se espalhou com o comércio internacional de pneus usados ​​onde ovos foram depositados com a água da chuva. Os ovos do mosquito podem resistir a condições muito secas e permanecem viáveis ​​durante muitos meses, mesmo na ausência de água.

A Dengue é uma doença causada por qualquer um dos quatro vírus estreitamente relacionados à doença. Os vírus são transmitidos aos humanos pela picada de um mosquito infectado. O mosquito Aedes aegypti é o transmissor de vírus da dengue mais importante do Hemisfério Ocidental, apesar de um surto em 2001 no Havaí que foi transmitido pelo Aedes albopictus. Estima-se que existam mais de 100 milhões de casos de dengue em todo o mundo a cada ano.